CIENTISTAS TRANS/TRAVESTIS

desafios na ciência brasileira

Autores

Palavras-chave:

cientistas trans/travestis, epistemologias trans/travesti, ciência brasileira, ciberpesquisa-formação, cibercultura

Resumo

Este artigo tem como pressuposto apresentar os resultados da minha pesquisa de mestrado, realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) sob orientação da Professora Dra Edmea Oliveira dos Santos. A pesquisa inicial se propôs a realizar uma etnografia online vivenciando uma ciberpesquisa-formação na cibercultura, com quatro mulheres trans, cientistas e que utilizam o Instagram como mecanismo de divulgação científica, política e social. O objetivo foi compreender como estas praticantes produziam ciência da rede, contextualizando e apresentando as suas produções, as quais se constituem em uma epistemologia trans/travesti. Os resultados alcançados estão fundamentados na importância das autorias destas cientistas e o quanto ainda a Universidade precisa avançar em termos de inclusão, para que a ciência produzida por estas cientistas possam habitar os processos de aprendizagem acadêmico.

Biografia do Autor

Fábio dos Santos Coradini, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutorando e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Graduado em Pedagogia pelo Centro Universitário Augusto Motta (2009). Pós-graduado em Psicopedagogia Institucional pelo Centro Universitário Augusto Motta (2011); Planejamento, Implementação e Gestão em Educação a Distância pela Universidade Federal Fluminense (2015); Design Instrucional para EaD Virtual pela Universidade Federal de Itajubá (2015), Mídias na Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2018) e Tecnologia, Formação de Professores e Sociedade pela Universidade Federal de Itajubá (2018). Professor Militar da Marinha do Brasil. Pesquisador do Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (GPDOC) da UFRRJ e do Grupo de Pesquisa Texto Livre do Laboratório SEMIOTEC da Faculdade de Letras da UFMG.

Referências

ALVES, Rubem. Religião e Repressão. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

ELLIS, C.; ADAMS, T. E. The purposes practices and principles of autoethnographic research. In.: LEAVY, P. (Ed.). The Oxford Handbook of Qualitative Research. New York: Oxford University Press, 2014.

FÁVERO, Sofia. Por uma ética pajubariana: a potência epistemológica das travestis intelectuais. Revista Equatorial, Natal, v. 7, p. 1-22, jan/jun, 2020.

GONÇALVES JR, Sara Wagner Pimenta. “As (Trans)Alianças e a Neomaquinaria”. Carta Capital, 2019. Disponível em https://www.cartacapital.com.br/justica/as-transaliancas-e-a-neomaquinaria/. Acesso em 14. nov. 2023.

HINE, C. (2000) Virtual Ethnography. Longres: SAGE.

LEMOS, André. As estruturas antropológicas do ciberespaço. In: Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2008.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. A cobaia agora é você! Cisgeneridade branca, como conceito e categoria de análise, nos estudos produzidos por travestis e mulheres transexuais. Caderno Espaço Feminino, 36(1), 157–178. https://doi.org/10.14393/CEF-v36n1-2023-9.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. 2ª reimpressão. Teresina: EDUFPI, 2019.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Dissertação, Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Salvador, 2015.

YORK, Sara Wagner; OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes; BENEVIDES, Bruna. Manifestações textuais (insubmissas) travesti. Revista Estudos Feministas, v. 28, n. 3, p. e75614, 2020.

Downloads

Publicado

2023-11-24

Como Citar

CORADINI, F. dos S. CIENTISTAS TRANS/TRAVESTIS: desafios na ciência brasileira. Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. Disponível em: https://ciltec.anais.nasnuv.com.br/index.php/CILTecOnline/article/view/1171. Acesso em: 29 fev. 2024.