A LEITURA COMO PRÁTICA

contribuições da Pedagogia Pós-Método

Autores

  • Beatriz Gontijo Campos Centro Federal de EducaçãoTecnológica de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-9427-1906
  • Roberta Silva Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Palavras-chave:

círculo de leitura, pedagogia pós-método, ensino de línguas, ensino de leitura

Resumo

A proposta deste artigo é apresentar o uso de círculos de leitura como uma atividade aplicada à Pedagogia Pós-Método para o ensino-aprendizagem nos ambientes presenciais e virtuais. Tendo em vista que a leitura era considerada uma atividade social e, por questões políticas e econômicas, passa por um processo de individualização e anonimização, o leitor perde o referencial de comunidade interpretativa – a construção de sentido na interação com o texto, o mundo, o autor e o outro. Assim, fazemos uma breve conceituação de leitura como prática, passando, depois, para as
comunidades interpretativas e os círculos de leitura, e, por fim, para a Pedagogia Pós-Método e seus três pilares: a particularidade, a praticabilidade e a possibilidade. A partir das discussões empreendidas, e nos pautando principalmente nos círculos de leitura como prática social da construção de sentidos na leitura, trabalhamos
também com a construção da autonomia e dos princípios da Pedagogia Pós-Método nos educandos, e a partir disso propomos algumas orientações práticas de como montar a atividade do círculo de leitura num contexto de ensino virtual. A partir das orientações dadas, buscamos dar ao professor ferramentas para adaptar o círculo ao seu contexto, agindo de acordo com as demandas locais dos alunos, assim como propõe a Pedagogia Pós-Método.

Referências

CASTELLS, M. The rise of the network society. Malden, MA: Wiley-Blackwell,2 ed. v. 1, 2010.

CHARTIER, R.. From texts to readers: Literary criticism, sociology of practice and cultural history. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 30, n. 62, 2017, p. 741–756.

COSSON, R. Círculos de leitura e letramento literário. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

DANIELS, H. Literature circles: voice and choice in Books Clubs and Reading Groups. 2 ed. Portland Maine: Stenhouse Publishers, 2002.

FISH, S. Is there a text in this class? Alfa. Tradução de Rafael Eugênio Hoyos-Andrade. São Paulo, v. 36, 1992, p. 189-206.

FREIRE, Paulo Reglus Neves. O Papel da Educação na Humanização. Revista Paz

e Terra, ª 4, v. 9, 1969, p. 123-132.

KUMARAVADIVELU, B. Toward a Postmethod Pedagogy. TESOL Quarterly, Teachers of English to Speakers of Other Languages, Inc. (TESOL), v. 35, n. 4, 2001, p. 537–560.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

VAN LIER, L. From Input to Affordance: Social-Interactive Learning from an Ecological Perspective. In: LANTOLF, J. (Org.). Sociocultural Theory and Second Language Learning. Oxford: Oxford University Press, 2000.

WITTMANN, Reinhard. Existe uma revolução da leitura no final do século XVIII? In: CHARTIER, R.; CAVALLO, Guglielmo (Orgs.). História da leitura no mundo ocidental. Trad. Cláudia Cavalcanti et al. vol. 2. São Paulo: Ática, 1999.

Downloads

Publicado

2023-11-24

Como Citar

GONTIJO CAMPOS, B.; SILVA SANTOS, R. A LEITURA COMO PRÁTICA: contribuições da Pedagogia Pós-Método. Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. Disponível em: https://ciltec.anais.nasnuv.com.br/index.php/CILTecOnline/article/view/1152. Acesso em: 29 fev. 2024.