GÊNERO, MÍDIA E VIOLÊNCIA

análise das representações do feminicídio e seu papel na transformação social

Autores

Palavras-chave:

feminicídio, (in)visibilidade, mídia jornalística, violência de gênero

Resumo

O feminicídio é uma manifestação extrema da violência de gênero, refletindo relações de poder desiguais entre homens e mulheres. A divulgação desse tipo de crime na mídia jornalística é essencial para sensibilizar a sociedade, impulsionar por mudanças e garantir a responsabilização dos agressores. No entanto, a (in)visibilidade do feminicídio na mídia pode contribuir para sua perpetuação, encorajar denúncias e minimizar a gravidade do problema. Nesse contexto, este
artigo se propõe a analisar como o feminicídio é abordado pela mídia jornalística identificando possíveis fatores que contribuem para essa (in)visibilidade e propondo estratégias para uma cobertura mais responsável, partindo do pressuposto de que o jornalismo, em sua função social como formador de opinião, produz cenas de visibilidade
que tanto incluem quanto excluem sujeitos. Estudos recentes evidenciam o aumento dos casos de violência doméstica contra mulheres, exigindo abordagens mais abrangentes para enfrentar essa questão. Neste estudo, de natureza qualitativa, adotou-se uma  metodologia baseada em pesquisa bibliográfica. A análise das formas de abordagem midiática do feminicídio permitirá identificar estratégias de comunicação mais eficazes no futuro, visando sensibilizar a sociedades obre a gravidade da violência de gênero e fomentar uma mudança de atitudes. Entende-se que quando as notícias de feminicídio são compartilhadas em portais de notícia, sua repercussão costuma ser maior do que se fossem veiculadas na televisão ou nos jornais impressos, por exemplo. Justifica-se por impulsionar uma transformação social positiva, promovendo uma sociedade mais justa e livre de violência de gênero.

Biografia do Autor

Crisóstomo Lima, Universidade Federal Fluminense

Psicólogo Clínico, pós-doutor em Ciências da Religião pelo PPG da PUC-Campinas, doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense; Mestre em Estudos da subjetividade com ênfase em Fenomenologia pelo Programa de pós graduação em Psicologia da Universidade Federal Fluminense, com graduação, bacharelado e licenciatura em Psicologia pela mesma instituição e pós-graduação em Filosofia. Professor Adjunto da Universidade Federal Fluminense, vinculado ao Departamento de Psicologia do Pólo Universitário de Campos dos Goytacazes. Professor do PPG em Cocnição e linguagem da Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF. Coordenador do Grupo de Trabalho ?Fenomenologia, Saúde e Processos Psicológicos? da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP). Integrante e membro fundador da Associação Brasileira de Psicologia Fenomenológica - ABRAPFE. É Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicologia, Fenomenologia e Filosofias da existência (GEPPFFE) e tem experiência nas áreas de Psicologia Clínica, Fenomenologia, Existencialismo, Hermenêutica e Educação. (Texto informado pelo autor)

Tamara Cecília Rangel , Universidade Federal de Juiz de Fora

Docente da Rede Estadual do Rio de Janeiro desde 1994. Possui Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), especialização em História do Brasil pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MINAS) e licenciatura em História pela Faculdade de Filosofia de Campos (FAFIC). Atuou como Coordenadora Regional de Gestão e Integração das Redes (2011-2014), Diretora Estadual de Matrícula e Estatísticas Educacionais (2014-2015) e Coordenadora Regional de Infraestrutura e Serviços (2016-2022). Atualmente atuando na Docência de História da Rede CEJA (Centro de Educação de Jovens e Adultos). Contato: tamaracrangelgomes@gmail.com (Texto informado pelo autor)

Referências

AUBERT, Nicole, HAROCHE, Claudine. Ser visível para existir: a injunção da visibilidade. In:

AUBERT, Nicole, HAROCHE, Claudine (orgs). Tiranias da visibilidade: o visível e o invisível nas

sociedades contemporâneas. São Paulo: Fap-Unifesp, 2013. p. 13-29.

BRASIL. Lei nº 11.340/06 (2006). Lei Maria da Penha. Brasília: Congresso Nacional, 2006.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm. Acesso

em: 16 maio. 2023.

BRASIL. Lei nº 13.104 (2015). Lei do feminicídio. Brasília: Congresso Nacional, 2015.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm. Acesso

em: 16 maio. 2023.

MORAES, F.; VEIGA DA SILVA, M. A objetividade jornalística tem raça e tem gênero: a

subjetividade como estratégia descolonizadora. In: XXVIII ENCONTRO ANUAL DA

COMPÓS, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre - RS, 11 a 14 de

junho de 2019. Anais.... Disponível em: http://www.compos.

org.br/biblioteca/trabalhos_arquivo_5LFXYWXOMDTM6JSBQBBT_28_7677_20_02_2019_17_5

_17.pdf. Acesso em: 7 jan. 2021.

NAVARRO, P. O pesquisador da mídia: entre “a aventura do discurso” e os dispositivos de

interpretação da AD. In: NAVARRO, P. (Org.). Estudo do texto e do discurso: mapeando conceito

e métodos. São Carlos: Claraluz, 2006, p. 62-92.

ORLANDI, E. As formas do silêncio no movimento dos sentidos. Campinas: EDUNICAMP,

181 p.

VEIGA DA SILVA, M. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias.

Florianópolis: Insular, 2014. 344 p.

VOIROL, O. Les luttes pour la visibilité. Esquisse d’une problématique. Réseaux. n. 129-130, p.

-121, 2005/1. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-reseaux1-2005-1-page-89.htm.

Acesso em: 20 agosto 2023.

Downloads

Publicado

2023-11-24

Como Citar

TEIXEIRA, F.; DO NASCIMENTO, C. L.; GOMES, T. C. R. GÊNERO, MÍDIA E VIOLÊNCIA: análise das representações do feminicídio e seu papel na transformação social . Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. Disponível em: https://ciltec.anais.nasnuv.com.br/index.php/CILTecOnline/article/view/1143. Acesso em: 29 fev. 2024.